Treinamento de OSCILOSCÓPIO AUTOMOTIVO

Carga horária: 52hs

Subdivisão da carga horária:

  • Configurações do Osciloscópio: 18hs

  • Diagnóstico avançado de INJEÇÃO ELETRÔNICA com OSCILOSCÓPIO: 34hs

 

Este treinamento tem o objetivo de ensinar os princípios gerais da correta aplicação do OSCILOSCÓPIO no diagnóstico avançado dos sistemas de injeção eletrônica, sistemas de ignição e centrais eletrônicas de controle do motor. Será um treinamento exclusivo sobre o OSCILOSCÓPIO AUTOMOTIVO de 4 canais. 

No decorrer deste treinamento serão conhecidos TODOS os sensores e atuadores existentes nos mais diversos sistemas de injeção eletrônica, com ações práticas de testes nos veículos com o constante uso do multímetro (em todo o decorrer do treinamento), que é ferramenta importantíssima para testes no sistema, E AMPLO ESPECTRO DO USO DO OSCILOSCÓPIO EM MEDIÇÕES NO SISTEMA DE INJEÇÃO ELETRÔNICA. 

 

 

Índice do manual

Osciloscópio para analise de sinais elétricos

Forma gráfica de um sinal elétrico

O que podemos fazer com um osciloscópio?

Quais controles possuem um osciloscópio típico?

Tipos de ondas

Ondas senóides

Típica onda senoidal (Tensão alternada em 110VAC e 220VAC)

Medição de tensão

Tensão alternada

Amplitude e Frequência do sinal elétrico alternado

Ondas quadradas e retangulares

Típica onda quadrada (tensão 5VDC e 12VDC)

Tensão contínua

Amplitude e Frequência do sinal elétrico contínuo pulsado

Pulso de onda quadrada com 5VDC e 12VDC de amplitude

Pulso de onda quadrada com 12 Hz, 24 Hz e 48 Hz de frequência

Ondas triangulares e dente de serra

Pulsos ou escalas

Período e Frequência

PWM ou Ciclo de trabalho (%)

Freqüência fixa com 50%, 15% e 70% de controle

Sinal PWM com comando NEGATIVO e comando POSITIVO

Pulso com 10%, 20%, 35%, 50%, 75% e 95% de controle NEGATIVO

Pulso com 10%, 20%, 35%, 50%, 75% e 95% de controle POSITIVO

Ajuste de TENSÃO DE BASE ou Sensibilidade vertical (tensão de amostragem)

Sinal de TENSÃO alternada de 10 VAC

Ajustes de tensão com grandeza de 1, 2 e 5

Ajuste de TENSÃO do CH1

Sinal típico com ajuste de tensão incorreto

Sinal típico com ajuste de tensão em 50 volts e 200 volts

Sinal do sensor MAP com ajuste de tensão CORRETO e ajuste de tensão INCORRETO

Ajuste de TEMPO DE BASE ou Sensibilidade horizontal (Velocidade de amostragem)

Seleção de amostragem de 100ms/div e 200ms/div

Ajustes de TENSÃO do CH1 (Tempo/DIV)

Analisando o PULSO DO INJETOR com ajuste correto (1ms/div) e com ajuste de 200µs/div e 100ms/div

Pulso de 5VDC e duração de 1ms/div

Onda senóide de 300VAC e duração de 2ms/div

Sinal com ajuste de tempo em 10ms e 200 ms

Ajuste do gatilho de disparo (função Trigger)

DISPARO POSITIVO (TRIG+) e DISPARO NEGATIVO (TRIG–)

Ajustes, modo, tipo, fonte e direção de varredura do gatilho

Sinal do sensor de RPM (2VAC/20ms) com gatilho no CH1, direção NEG a 7,53V

Pulso do injetor UCE Marelli G7 (20V/200μs) com gatilho no CH4, direção POS a 48,9V

Pulso de ignição sistema TSZ-i (20V/5ms) com gatilho no CH3, direção NEG a 5,02V

Pulso TTL de controle de ignição (2V/20ms) com gatilho no CH1, direção POS a 1,95V

Rede elétrica residencial de 220VAC (100VAC/5ms) com gatilho no CH1, direção NEG a 157V

Sinal do sensor Hall de FASE de comando (2V/5ms) com gatilho no CH1, direção POS a 816mV

Pulso de injetor (40V/20ms) com gatilho no CH3, direção NEG a 22,6V.

Sensores de posição angular

Alimentação elétrica, atuadores e sensores - Chevrolet Prisma 1.4 – UCE Multec FR4

Foto interna da UCE do motor UCE Delphi FFYM

Testes em bancada do sensor de posição de borboleta

Sensor TPS (CH1) sobreposto com sinal do sensor MAP (CH2)

Sinal do sensor TPS com falha na pista do sensor (1V/500ms)

Sensor duplo de posição de borboleta de aceleração (TPS)

Gol 1.0 MI 8V e 16V (Sistema Bosch Motronic MP9, Magneti Marelli 1AVS e 1AVI)

Sensor de posição de borboleta de aceleração (TPS) com tensão decrescente

Sinal do sensor TPS no pino 5 e pino 8 durante ajuste básico (1V/500ms)

Sinal do sensor TPS (CH1) e TPS do atuador IAC (CH2) com ignição ligada e em marcha lenta (2V/500ms)

Sensor de fluxo de ar (VAF) para UCE´s analógicas (alimentação de 12 volts)

Sensor de fluxo de ar na aceleração rápida (2V/500ms) e com falha no sinal (2V/500ms)

Sensor de fluxo de ar (VAF) para UCE´s digitais (alimentação de 5 volts)

Sensor de fluxo de ar (VAF) durante a aceleração rápida do motor e com falha no sinal (5V/500ms)

Sensor duplo do pedal do acelerador

Sensor PPS com erro de ajuste de leitura (5V/500ms)

Sensor PPS com falha na pista 1 (1V/200ms)

Sensor de posição de borboleta de aceleração (Sistema com acelerador eletrônico)

Teste de sensor de posição de borboleta do corpo de aceleração BOSCH, DELPHI e VDO

Sensor de posição DBW em marcha lenta (2V/500ms)

Conversão para testes de sensores de pedal de acelerador

Sensor de temperatura do motor 

Sensor de temperatura do MOTOR e do AR veículos FORD, VW (com EEC-IV), FIAT e VW MI (com MARELLI)

GM sistema MULTEC H + GM com BOSCH ME7.9.6/ME7.9.9/MULTEC HV240/FR4

Fiat Novo UNO Vivace 1.0 FLEX sistema Marelli 7GF

Fiat MILLE Fire Economy com sistema Marelli 4AFB + Peugeot 207 1.4L FLEX com sistema BOSCH ME 7.4.9

VW Voyage 1.0L com sistema Marelli 4GV + Renault SANDERO e LOGAN 1.6L com sistema SIRIUS 3134

HONDA New Civic 1.8L motor 16V i-VTEC com sistema PGMFi

Sensor de temperatura do motor com circuito duplo divisor de tensão

Curva de temperatura/tensão UCE DELCO/DELPHI

Sensores de pressão analógicos

Sinal do sensor MAP durante a partida do motor (1V/500ms)

Sinal do sensor MAP com falha de aterramento, durante rápida aceleração do motor (1V/500ms)

Sinal do sensor MAP + sensor TPS com falha de aterramentos (2V/500ms)  

Sinal do sensor RPM (5VAC) + sensor MAP (500mV/20ms) 

Sinal do sensor MAP (400mV/10ms) + primário da bobina de ignição (20V)

Pulsação de ar dentro do coletor (200mV/20ms) + RPM do motor (10VAC) + primário da bobina (20V)

Válvulas do motor com falhas de vedação (200mV/10ms) 

CH1 Pulsação de ar dentro do coletor GM Kadet MPFI (200mV/20ms)

Pulsação de ar dentro do coletor Fiat  Fiat Pálio 1.0 ED (500mV/20ms)

Sensores de pressão digital

Valores de freqüência do sensor MAP

Sinal do sensor MAP com motor desligado a 159 Hz (1V/5ms) e motor ligado a 109 Hz (1V/5ms)

Sinal do sensor MAP com falha de sinal a 83Hz (1V/5ms)

Sensores de massa de ar por filme aquecido

Alfa Romeo 145 e 155 2.0 TS / Fiat Marea e Marea Weekend 2.0 20V / GM Astra 1995 e 96

Calibra 16V e Vectra GSi 16V / GM C20, Omega, Suprema, Silverado e Grand Blazer

Ford com motores ENDURA e ZETEC (1.0, 1.4 e 1.8 16V)

Veículos VW e AUDI (com Simos 2, Bosch M3.8.2, Bosch M3.8.3, Bosch 3.8.2 turbo e Bosch 7.5 turbo)

Sinal do sensor MAF com motor em rápida aceleração

FORD Escort ZETEC 1.8 16V (1V/500ms)   + FORD Focus 1.8 16V (1V/200ms)

HONDA New Civic (1V/1s)   + VW Passat 2.8 VR6 (1V/500ms)

Falhas comuns características do sensor MAF

Sinal do sensor de massa de ar com sinal INCORRETO

Sinal do sensor ANTES da limpeza e DEPOIS da limpeza

Sensores de massa de ar digitais

Sensor GM Blazer/S10 4.3 litros V6 e Omega 3.8 litros V6

Sensor MITSUBISHI Colt, Diamond, Eclipse, Galant, Lancer, Mirage, Stealth, Space Wagon e GT3000

Sensor de massa de ar digital com ignição ligada a 230 Hz (1v/200μs) e 246 Hz (1v/500μs)

Sensor de massa de ar digital com motor em marcha lenta a 2700 Hz (1v/2ms) e 3282 Hz (1V/2ms)

Sensores de rotação indutivos

Sinal da falha da roda fônica

Ordem de explosão motor 4 cilindros = 1 – 3 – 4 – 2 (60-2 dentes) PMS no 20º dente + PMS no 50º dente

Ordem de explosão motor 4 cilindros = 1 – 3 – 4 – 2 (60-2 dentes) PMS no 17º dente + PMS no 47º dente

Ordem de explosão motor 5 cilindros = 1 – 2 – 4 – 5 – 3 (60-2 dentes) PMS no 15º dente + PMS no 3º dente

Ordem de explosão motor 5 cilindros = 1 – 2 – 4 – 5 – 3 (60-2 dentes) PMS no 38º dente

Ordem de explosão motor 6 cilindros = 1 – 5 – 3 – 6 – 2 – 4 (60-2 dentes) PMS no 15º dente

Ordem de explosão motor 4 cilindros = 1 – 3 – 4 – 2 (36-1 dentes) PMS no 9º e 27º dente

Ordem de explosão motor 4 cilindros = 1 – 3 – 4 – 2 (36-2 dentes) PMS no 22º e 4º dente

Ordem de explosão motor 4 cilindros = 1 – 3 – 4 – 2 (117 dentes) PMS no 1º dente

Tabela de freqüência de sensores de rotação do motor e medidas de resistência elétrica do sensor

Avanço de IGNIÇÃO á 9º APMS + Fase e sequencia de INJEÇÃO

Pulso TTL de controle de avanço de IGNIÇÃO á 9º APMS (PMS 1/4) e 9º APMS (PMS 2/3)

Pulso de controle de avanço de IGNIÇÃO á 0,75º APMS (PMS 2/3) Fiat UNO Fire 1.0

Sinal do sensor RPM em marcha lenta (2VAC/10ms)

Sinal do sensor RPM + FASE + INJ1 - Fiat Punto 1.4

Sinal do sensor RPM + sensor de FASE + IGN - Fiat Punto 1.4

Sinal do sensor RPM Ford Fiesta 1.6 ROCAM (2VAC/10ms)

Sinal do sensor RPM Fiat Tempra 16V (2VAC/10ms)

Sinal do sensor RPM + Sensor de FASE Fiat Uno ELX

Sinal do sensor RPM + INJ1 + INJ4 / sensor RPM + INJ1 + INJ3 GM Astra 1.8

Sinal do sensor de FASE + sensor de RPM Toyota Corolla 1995

Sinal do sensor de RPM + sensor de FASE Fiat DUCATO 2.8 diesel (Volante FORA de posição)

Sinal do sensor de RPM + INJ1 + INJ2 Fiat MAREA 5cc 2.0 20V

Sinal BOB1 + BOB4 + BOB3 + sensor de RPM + sensor FASE Fiat STILO 2.4 Abarth

Sinal de RPM + pulso de ignição 1/6 + 3/4 GM Omega 4.1 MPFI

Sinal de RPM + FASE de comando GM Omega 4.1 MPFI

Roda fônica amassada VW Passat 1.8 Turbo (200mV/5ms)

Marcopolo Volare V5 com roda fônica amassada (2VAC/5ms)

GM Astra 2.0 MPFI 1996 com roda fônica amassada (5VAC/20ms)

FORD Escort ZETEC 1.8 com volante amassado

Sensores de movimento por efeito Hall

Resposta do sensor Hall em freqüência (Valores para sensores de RPM e Fase do tipo hall)

Testes no sensor de rotação do motor Hall + Teste do velocímetro do painel de instrumentos

Sinal do sensor RPM em marcha lenta (2V/5ms) 

Sinal do sensor RPM + pulso do injetor + pulso TTL de ignição + pulso de ignição VW Golf 1.8 GL

Sinal do sensor RPM + pulso do injetor + pulso TTL de ignição + pulso de ignição VW Polo Classic 1.8 MI

Sinal do sensor RPM + sensor de FASE + pulso do injetor VW Gol 1.0 ME 7.5.20 / VW Gol 1.0 ME 7.5.30

Sinal do sensor de FASE (comando de válvulas torto) VW Voyage 1.0 IAW 4GV

Sinal do sensor RPM + sensor de FASE + pulso do injetor VW Golf 1.6 SR ME 7.5.10 / VW Parati 1.0 4LV

Sinal do sensor RPM + sensor de FASE + pulso do injetor 4 Fiat Punto 1.4

Sinal do sensor RPM + sensor de FASE de comando GM S10 2.8 turboElectronic diesel

Sensores de detonação

Condições de queima NORMAL e queima ANORMAL da mistura (processo de detonação)

Mapa de controle de correção de avanço de ignição

Ligação do sensor até a UCE do motor e testes no sinal do sensor de detonação (1VAC/2ms)

Sensores de oxigênio

Equação de Nernst e Fator LAMBDA

Constituição interna do sensor de oxigênio

Condição de MISTURA RICA e Condição de MISTURA POBRE

Sensor lâmbda em condições de resposta de leitura lenta

Controle do aquecedor do sensor lambda e teste de consumo da resistência de aquecimento

SONDA LÂMBDA CONVENCIONAL e SONDA LÂMBDA PLANAR

Sensor de oxigênio em condições de mistura rica e mistura pobre

Sensor de oxigênio em condições de leitura lenta e Sensor de oxigênio travado

Sensor de oxigênio com problemas de aterramento da UCE (ruído no sinal)

Correção do tempo de injeção de combustível (Integrador do sensor HO2S)

Ajuste de combustível a curto prazo (STFT) e Ajuste de combustível a longo prazo (LTFT)

Fatores de correção da mistura na relação ar-combustível

Sinal do sensor de oxigênio com falha de aterramento (200mV/500ms)

Massa do sinal do sensor de oxigênio com falha de aterramento (CH2)

Sinal do sensor de oxigênio com mistura POBRE (200mV/1s)

Sinal do sensor de oxigênio com defeito (200mV/500ms)

Massa do sinal do sensor de oxigênio com falha de aterramento

Sinal do sensor de oxigênio com fio CINZA aterrado

Sinal do sensor de oxigênio ao aterrar o fio CINZA e ao REMOVER o aterramento do fio CINZA

Queda de tensão no aterramento do fio CINZA

Sinal do sensor de oxigênio HONDA New Civic 1.8 16V CH2 sonda de TITANIA pós CAT

Pulso de massa da resistência de aquecimento do sensor de oxigênio na partida e após 10” (2V/50ms)

Alimentação elétrica do sistema

Ocupação dos pinos da UCE Magneti Marelli 4BV

Circuito de alimentação da UCE (Celta até 2002)

Testes no rele de alimentação elétrica do sistema e Falhas comuns no sistema de alimentação elétrica

Imagens de quedas de aterramentos do sistema e Queda de tensão na partida do motor

Eletrobomba de combustível

Valor de consumo de corrente elétrica

Manômetro para medição de pressão de combustível

Pressão e vazão de bombas de combustível BOSCH, DELPHI e MAGNETI MARELLI

Regulador de pressão de combustível a vácuo

Eletroinjetores de combustível

Comutação da BASE do transistor à tensão

EMISSOR do transistor NPN está ligado à massa

COLETOR do transistor NPN está ligado ao injetor

Gráfico do injetor e Pulso de comando do injetor

Pulso do transistor de comando do injetor

Aplicação dos 2 canais do osciloscópio

Analise do B e C do transistor de comando do injetor

Injeção simultânea 1, 2, 3 e 4 VW Golf MI 1.8 GL

Injeção semi-sequencial 1/4 e 2/3 VW Santana 2.0 EFI

Injeção seqüencial baseada em sensor de RPM por efeito Hall + sensor de RPM por efeito Indutivo

Tempo de injeção motor FLEX com gasolina + motor FLEX com etanol

Pulso do injetor na aceleração rápida do motor VW Santana 2.0 EEC-IV EFI

Pulso do injetor no retorno para marcha lenta VW Santana 2.0 EEC-IV EFI

Transistor de comando do injetor aquecendo a junção EC

Ligação dos injetores até a UCE do motor FORD Escort motor 1.8 16V ZETEC

Rotação do motor pela freqüência do INJETOR (somente para sistema MULTIPONTO)

Eletroinjetor de combustível monoponto

Valores de resistência do eletroinjetor

Valores de tempo de injeção

Comando do injetor por corrente controlada (Peak and Holding)

Comando do injetor por corrente modulada (impulso modulado)

Bobina de ignição com defeito provocando interferência no sistema

Comando do injetor por corrente modulada fase FRIA do motor (impulso modulado)

Comando do injetor por corrente modulada fase QUENTE do motor (impulso modulado)

Consumo de corrente elétrica do injetor por controle de corrente modulada (impulso modulado)

Modo de controle de injeção SINCRONO + Modo de controle de injeção ASSINCRONO

Comando do injetor por corrente controlada (Peak and Holding)

Atuador de marcha lenta por solenóide elétrico

Carga cíclica (%) e Integrador do IACV

Manutenção do atuador IACV + Fases de funcionamento + Teste dinâmico no atuador de marcha lenta

Ligação do atuador IAC até a UCE do motor GM Omega 3.0

Padrão gráfico do solenóide do atuador de marcha analisados com o osciloscópio

Controle do solenóide de marcha lenta Fiat MAREA 2.0 20V

Controle de marcha lenta em condições normais de funcionamento BOSCH Motronic M1.5

PWM negativo de controle em 42,6% e controle em 88,76%

Controle do solenóide de marcha lenta UCE DIGIFANT 1.74 e 1.82

Falha do rele de alimentação elétrica da UCE DIGIFANT 1.74 e 1.82

Sinal de comando do atuador VW Santana 2.0 EEC-IV EFI

Atuador de marcha lenta FORD eletropneumático

Atuador desligado, durante a partida do motor

Inicio da correção de marcha lenta

Compensação e equilíbrio de pressão entre as câmaras de pressão

Manutenção do atuador de marcha lenta FORD eletropneumático

Sinal de comando do atuador FORD Endura e Zetec

Atuador de marcha lenta por motor de passo a passo

Vazão de ar do motor de passo a passo

Controle da folga entre o eixo do obturador e a chaveta de guia

Valores de resistência e comando do motor de passo a passo

Sistema de emissões evaporativas

Filtro de carvão ativado (cânister)

Circuito da válvula de purga do cânister

Medidas de resistência da EVAP

© 2018 Flávio Xavier - Isaias Manica Designer