Treinamento de Diagnóstico Técnico de INJEÇÃO ELETRÔNICA DE AUTOMÓVEIS

Este treinamento tem o objetivo de ensinar os princípios gerais dos sistemas de injeção eletrônica, a partir de uma metodologia geral, baseado no funcionamento dos diversos sensores e atuadores elétricos dos vários veículos nacionais e importados.

No decorrer do curso serão conhecidos todos os sensores e atuadores existentes nos mais diversos sistemas de injeção eletrônica, com ações práticas de testes nos veículos com o constante uso do multímetro (em todo o decorrer do treinamento), que é ferramenta importantíssima para testes no sistema, E AMPLO ESPECTRO DO USO DO OSCILOSCÓPIO EM MEDIÇÕES NO SISTEMA DE INJEÇÃO ELETRÔNICA, com parte prática sobre a técnica do sistema TODAS AS NOITES.
Cada participante receberá um manual técnico de injeção de 380 páginas (o MAIS COMPLETO manual técnico nesta área), com:

 

  • Técnica de sensores do sistema eletrônico;

  • Dinâmica de funcionamento de sensores;

  • Valores de testes de sensores;

  • Imagens dos sinais dos sensores analisados com OSCILOSCÓPIO;

  • Técnica de atuadores do sistema eletrônico;

  • Dinâmica de funcionamento de atuadores;

  • Valores de testes de atuadores;

  • Imagens dos sinais dos atuadores analisados com OSCILOSCÓPIO;

  • Análise e estudo de alimentações elétricas do sistema eletrônico;

  • Descrição de casos reais de falhas em cada etapa de componente estudado. 

Este treinamento TEM RECONHECIMENTO como QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL, onde será emitido CERTIFICADO DE CONCLUSÃO, para 100% de presença no treinamento e a averbação de qualificação profissional na carteira de trabalho conforme lei específica.
Treinamento técnico ministrado para várias empresas em todo Brasil, com conteúdo atualizado a partir de nossa experiência de 19 anos na área de treinamento e 26 anos em Injeção Eletrônica de veículos. 

“Nós sabemos como ensinar a REAL TÉCNICA de funcionamento do sistema de injeção eletrônica de automóveis”

Conteúdo do treinamento

  • Sistemas eletrônico de injeção de combustível

  • Princípio de funcionamento

  • Relação estequiométrica

  • Unidade Central Eletrônica

  • Relação de centrais eletrônicas Magneti Marelli com falha

  • Sensores potenciométricos

  • Esquema elétrico de ligação GM Celta 1.0 Multec F

  • Testes em bancada do sensor de posição de borboleta

  • Tabela de valores de sensores de posição de borboleta de aceleração do motor

  • Teste nos sensores de posição de borboleta de aceleração

  • Sensor de fluxo de ar (VAF) para UCE´s analógicas (alimentação de 12 volts)

  • Sensor de fluxo de ar (VAF) para UCE´s digitais (alimentação de 5 volts)

  • Sistema de acelerador elétrico com corpo de borboleta DBW (Drive by Wire)

  • Estágio de controle do motor elétrico de aceleração (UCE Bosch ME 7.9.9)

  • Pulso de comando PWM do motor de aceleração DBW

  • Sensor duplo do pedal do acelerador

  • Gol 1.0 MI 8V e 16V (Sistema Bosch Motronic MP9, Magneti Marelli 1AVS e 1AVI)

  • Sensores de temperatura

  • Circuito divisor de tensão

  • Tabela de tensão do circuito

  • FIAT - VW MI (todos com MARELLI)

  • FIAT - GM (todos com BOSCH)

  • Sensor de temperatura do ar veículos GM sistema MULTEC H

  • GM com BOSCH ME7.9.6/ME7.9.9/MULTEC HV240/FR4

  • Fiat com sistema Marelli 7GF/Marelli 4AFB/ BOSCH ME7.3H4

  • Peugeot com sistema BOSCH ME 7.4.9 - VW com sistema Marelli 4GV

  • Renault com sistema SIRIUS 3134 - HONDA com sistema PGMFi

  • Esquemas elétricos Ford Fiesta 1.6 Rocam SFI – Sistema EEC-V

  • Sensores de temperatura de duplo circuito dentro da UCE do motor UCE Delco família GM

  • Tabela de TENSÃO X TEMPERATURA do circuito duplo

  • Sensores de pressão analógicos

  • Esquemas elétricos Fiat Uno 1.0 SX – Sistema Marelli G7

  • BOSCH ME7.9.6, DELPHI HV240/FR4/Multec H

  • BOSCH M1.5.5 - BOSCH ME7.9.9 - Marelli G7 e 1G7 – Marelli 4AFB

  • Digifant 1.74/1.82 – Marelli 1AVB/1AVP/4AVP

  • SIRIUS 3134 – Bosch Motronic ME7.4.9

  • Marelli 4AFR, 4CFR - EEC-VI FoMoCo

  • Teste nos sensores de pressão absoluta analógicos

  • Imagens dos sensores de pressão analisados com o osciloscópio

  • Sensores de pressão absoluta digital

  • Frequência do sinal á 159 Hz

  • Frequência do sinal á 108 Hz

  • Tabela de FREQUENCIA X PRESSÃO dos sensores de pressão

  • Esquemas elétricos VW Gol 1.0 Plus– Sistema FIC EEC-IV

  • Teste nos sensores de pressão absoluta digital

  • Imagens características do sensor MAP visualizado com o osciloscópio

  • Sensores de massa de ar analógico

  • Resistor térmico PTC

  • Ligação do sensor até a UCE do motor FIAT Marea 2.0 20V

  • Audi, BMW, Fiat, Ford, GM, Honda, Nissan, Toyota, VW,

  • Teste nos sensores de massa de ar analógico

  • Imagens dos sensores de massa de ar analisados com o osciloscópio

  • FORD Escort ZETEC 1.8 16V e FORD Focus 1.8 16V

  • HONDA New Civic 1.8 16V e VW Passat 2.8 VR6b

  • Relação de falhas dos sensores de massa de ar

  • Sensores de massa de ar digital

  • Lógica de funcionamento

  • Sensores de ALTA FREQUÊNCIA família GM

  • Sensores de BAIXA FREQUÊNCIA família MITSUBISHI

  • Ligação do sensor até a UCE do motor GM Blazer motor VORTEC 4.3 V6

  • Testes nos sensores de massa de ar digital

  • Imagens dos sensores de massa de ar digital analisados com o OSCILOSCÓPIO

  • Sensor de rotação do motor por efeito indutivo

  • Frequência do sinal da roda fônica dentada de 60 dentes

  • Falha da roda fônica dentada

  • Imagens da falha da roda fônica analisados com o osciloscópio

  • Ordem de explosão motor 4 cilindros = 1 – 3 – 4 – 2

  • Ordem de explosão motor 5 cilindros = 1 – 2 – 4 – 5 – 3

  • Ordem de explosão motor 6 cilindros = 1 – 5 – 3 – 6 – 2 – 3

  • Divisão de graus por numero de dentes da roda fônica

  • 60-2 dentes (3º por divisão de dentes)

  • 36-1 dentes (5º por divisão de dentes)

  • 36-2 dentes (5º por divisão de dentes)

  • 117 dentes (1,5º por divisão de dentes)

  • Esquemas elétricos Chevrolet Corsa 1.0 – Multec SEM

  • Imagens dos sensores de rotação do motor indutivo analisados com o osciloscópio

  • Pulso TTL de controle de avanço de IGNIÇÃO á 9º APMS (PMS 1/4)

  • Pulso de controle de avanço de IGNIÇÃO á 0,75º APMS (PMS 2/3) Fiat UNO Fire 1.0

  • Sinal do sensor RPM + sensor de FASE + fase de injeção - Fiat Punto 1.4

  • Sinal do sensor RPM + sensor de FASE + fase de injeção - Ford Fiesta 1.6 ROCAM

  • Sinal do sensor de FASE + sensor de RPM Toyota Corolla 1995

  • Sinal do sensor de RPM + INJ1 + INJ2 Fiat MAREA 5cc 2.0 20V

  • Sinal BOB1 + sensor de RPM + sensor FASE Fiat STILO 2.4 Abarth

  • Roda fônica amassada VW Passat 1.8 Turbo/GM S10 2.4 MPFI

  • Sensores de rotação por efeito Hall

  • Técnica de sensores de rotação por efeito Hall

  • Circuito de leitura de sinal Hall

  • Análise do sinal Hall com multímetro

  • Teste nos sensores de rotação por efeito HALL VW Gol 1.6 MI sistema 1AVB

  • Freqüência de trabalho do sensor Hall em função do numero de janelas

  • Teste nos sensores de velocidade Hall para o velocímetro

  • Imagens dos sensores de rotação do motor Hall analisados com o osciloscópio

  • Sinal do sensor RPM + pulso do injetor VW Golf 1.8 GL

  • Sinal do sensor RPM + pulso TTL de ignição VW Polo Classic 1.8 MI

  • Conferência da posição mecânica da roda fônica “SABÓ”

  • Sensor de fase do comando de válvulas por efeito Hall

  • Vista traseira do comando de válvulas do motor com 3 dentes de referência

  • Vista traseira do comando de válvulas do motor com 4 dentes de referência

  • Sinal do sensor RPM + sensor de FASE + pulso do injetor ME 7.5.10/ME7.5.20/ME7.5.30

  • Sinal do sensor de FASE (comando de válvulas torto) VW Voyage 1.0 IAW 4GV

  • Sinal do sensor RPM + sensor de FASE + pulso do injetor VW Parati 1.0 4LV

  • Sinal do sensor RPM + sensor de FASE + fase de injeção Fiat Punto 1.4

  • Sensores de detonação

  • Condições de queima NORMAL da mistura

  • Condições de queima ANORMAL da mistura (processo de detonação)

  • Ressonância do sensor de detonação

  • Teste nos sensores de detonação VW Saveiro 1.8 MI 1AVP

  • Imagens do sinal dos sensores de detonação

  • Sensores de oxigênio

  • Célula Nernst do sensor de oxigênio

  • Fator LAMBDA

  • Constituição interna do sensor de oxigênio

  • Relação ar-combustível com transição para mistura RICA

  • Relação ar-combustível com transição para mistura POBRE

  • Sensor de oxigênio do tipo dedal sem aquecimento (LS)

  • Sensor de oxigênio do tipo dedal cem aquecimento (LSH)

  • Sensor de oxigênio de titânio com aquecimento

  • Sensor de oxigênio do tipo Planar, com aquecimento (LSF)

  • Sensor de oxigênio de banda larga com aquecimento (LSU)

  • Ligação dos fios dos sensores de oxigênio

  • Ligação do sensor lâmbda até a UCE do motor VW Paratí 1.0 Marelli 4LV

  • Controle da resistência elétrica do aquecedor do sensor lâmbda UNIVERSAL

  • Controle da resistência elétrica do aquecedor do sensor lâmbda PLANAR

  • Teste de consumo da resistência de aquecimento da sonda lambda UNIVERSAL

  • Teste de consumo da resistência de aquecimento da sonda lambda PLANAR

  • Situação de mistura RICA na descarga

  • Situação de mistura POBRE na descarga

  • Sonda lâmbda com problemas de aterramento da UCE (ruído no sinal)

  • Ajuste de combustível a curto prazo (STFT)

  • Ajuste de combustível a longo prazo (LTFT)

  • Alimentação elétrica do sistema

  • Testes no sistema elétrico Ford FIESTA 1.0 Rocam

  • Circuito de alimentação da UCE (Celta até 2002)

  • Testes no rele de alimentação elétrica do sistema

  • Eletrobomba de combustível

  • Valor de consumo de corrente elétrica

  • Manômetro para medição de pressão de combustível

  • Medição de pressão da eletrobomba de combustível

  • Pressão e vazão de bombas de combustível BOSCH

  • Pressão e vazão de bombas de combustível DELPHI e MAGNETI MARELLI

  • Eletroinjetores de combustível

  • Comutação da BASE do transistor à tensão

  • EMISSOR do transistor NPN está ligado à massa

  • COLETOR do transistor NPN está ligado ao injetor

  • Gráfico do injetor

  • Pulso de comando do injetor

  • Pulso do transistor de comando do injetor

  • Analise da junção BC do transistor de comando do injetor

  • Controle PARALELO = Injeção simultânea 1, 2, 3 e 4 VW Golf MI 1.8 GL

  • Controle SEMISEQUENCIAL = Injeção semi-sequencial 1/4 e 2/3 VW Santana 2.0 EFI

  • Controle de combustível SEQUENCIAL

  • Tempo de injeção motor FLEX com gasolina

  • Tempo de injeção motor FLEX com etanol

  • Pulso do injetor na aceleração rápida do motor VW Santana 2.0 EEC-IV EFI

  • Pulso do injetor no retorno para marcha lenta VW Santana 2.0 EEC-IV EFI

  • Transistor de comando do injetor aquecendo a junção EC

  • Ligação dos injetores até a UCE do motor FORD Escort motor 1.8 16V ZETEC

  • Eletroinjetor de combustível monoponto

  • Comando do injetor por corrente controlada (Peak and Holding)

  • Comando do injetor por corrente modulada (impulso modulado)

  • Modo de controle de injeção SINCRONO

  • Modo de controle de injeção ASSINCRONO

  • Comando do injetor por corrente controlada (Peak and Holding)

  • Atuador de marcha lenta por solenóide elétrico IACV

  • Carga cíclica (%) e Integrador do IACV

  • Ligação do atuador IAC até a UCE do motor GM Omega 3.0

  • Padrão gráfico do solenóide do atuador de marcha analisados com o osciloscópio

  • PWM negativo de controle em 42,6% e 88,76%

  • Controle do solenóide de marcha lenta Fiat MAREA 2.0 20V

  • Controle do solenóide de marcha lenta UCE DIGIFANT 1.74 e 1.82

  • Controle do solenóide de marcha lenta VW Santana 2.0 EEC-IV EFI

  • Atuador de marcha lenta eletropneumático Hitachi

  • Atuador desligado

  • Durante a partida do motor

  • Durante a marcha lenta

  • Inicio da correção de marcha lenta

  • Sinal de comando do atuador FORD Endura e Zetec

  • Atuador de marcha lenta por motor de passo a passo

  • Vazão de ar do motor de passo a passo

  • Valores de resistência do atuador IAC

  • Comando do motor de passo a passo

  • Sistema de emissões evaporativas

  • Filtro de carvão ativado e Circuito da válvula de purga do cânister

  • Sistema de controle de emissões de gases

  • Teste de vedação da EGR com motor desligado

  • Teste de vedação da EGR com motor em funcionamento

  • O sistema EGR e a detonação

  • Dispositivos de controle de emissões

  • Emissões de gases

  • Compreendendo as emissões

  • Analise dos gases do escapamento

  • Controle da concentração das emissões poluentes

  • Conversor catalítico de 3 vias.

  • Resultados de análises de emissões de gases

© 2018 Flávio Xavier - Isaias Manica Designer